Search

Languages

English flag Japanese flag Germany flag Spanish flag French flag
Chinese flag Italian flag Russian flag Saudi Arabian flag Portugese flag

Todays Quote Change quote

Desenho da casa de chá|A forma de chá|Um convite para chá|Preparando para a cerimônia
Dentro da casa de chá|A refeição|A sala de chá|Utensílios
O mundo espiritual de chá|Preparando para a partida

A casa de chá

Desenho da casa de chá.

Antes do chá reunindo, o host deve certificar-se que a sala de chá é cuidadosamente limpos e que o poço do fogo, o tatame e o pano de linho chá, bata a chá, a concha e o fukusa são tudo impecável. Os pauzinhos, o resto de tampa, a tubulação de água levando a lavatório, os pauzinhos para o poço de detritos no jardim são substituídos por outras feitas de bambu verde. Todos os utensílios de chá usados para a cerimônia devem ser dispostos em seus devidos lugares. Depois de tudo isso é feito, a cerimônia do chá pode começar assim que os convidados chegarem.imageUm quarto pequeno perto do portão do jardim sempre é fornecido para os hóspedes de espera antes do início da cerimônia. Um tapete é colocado lá fora para os convidados a sentar-se e xícaras de água quente são fornecidas para quem está sedento. Uma chaleira é colocada acima do fogão. Uma bandeja de tabaco é colocada dentro da sala de espera com um recipiente para tabaco solto nas proximidades, bem como dois tubos japoneses. Há não fumantes permitidos na sala de chá.

A impressão dominante de um tem em entrar umchashitsu, uma casa de chá, é uma luz muito suave e repousante. A casa de chá contrasta a ordinária arquitetura doméstica japonesa em sua falta de abertura. Em casas de chá, aberturas de janela são pequenas e cuidadosamente colocada para colocar a luz exatamente onde ele será mais eficaz.

O tamanho dos salões de chá pode variar entre um quarto e três esteiras (tatami) para não mais de oito. Eles muitas vezes têm thatched telhados, paredes de barro e são construídos com materiais baratos, como cedro, bambu, paulownia e pinheiros. Essas casas de chá evocam a clássica morada de eremita budista. Quando o chá é levado a uma casa de chá, a prática é usar duas taças: uma grande para a cerveja que vai realizar sobre uma pint, e um copo de cone, menor que um Pires de demi-tasse, que é colocado lado ascendente sobre ele.

image

A palavra

O piso da casa de chá é coberto com um tapete de bambu chamado um tatame. O piso é gerado apenas na alcova e está decorado com artigos de célebre chá de origem antiga.

O limite máximo

As casas foram construídas com tectos altos, mas verificou-se que a altura em uma sala de chá pequeno fez os convidados sentir unrestful. Em seguida, os limites máximos foram reduzidos a sete pés, e depois para seis. Para evitar um sentimento apertado, o teto tinha alternando alturas. Por exemplo, o teto de Alcova foi feito um pouco superior ao limite máximo em outras partes da sala e foi coberto com um pedaço de placa, enquanto o teto acima do host ' assento s como feito um pouco menor que a seção acima os convidados ' lugar para mostrar humildade. Os materiais leves utilizados para tectos de sala de chá foram as telhas, vime, bambu e palhetas.

As paredes

Paredes de papel evoluiram para paredes de Lama quando os construtores começaram a usar os logs como postos de suporte. O uso de paredes de barro tornou possível criar salas com cantos arredondados e para salas de chá ser construído em uma forma circular ao redor de um posto central.

O Windows

As janelas da sala de chá eram estreitamente relacionados com a construção das paredes. Um lintel foi estabelecida de um lugar para outro, e o espaço entre eles foi feito em uma janela. Essa estrutura deixe pouca luz na cabana de chá pequeno e o lintel parecia fora do lugar assim que uma janela de corte na área inferior da parede poderia ser construída em vários tamanhos e permitiu mais luz em. Tais baixas windows fornecida ventilação e uma melhor visão da paisagem natural ou jardim, desde que as pessoas se sentou no chão. Outra característica da janela da cabana do chá foi as grades de bambu que não só deixar entrar mais luz, mas ajudaram a criar um clima de serenidade.

O Host ' s entrada

imageEsta é uma miniatura entrada usada pelo host, originalmente menor do que é hoje, através do qual o anfitrião tem que agachar para entrar - outro dispositivo instalado um senso de humildade no acolhimento.

Os convidados ' entrada

Esta é uma segunda entrada através dos quais os hóspedes têm a rebaixaria entrar na sala de chá. A entrada é feita de madeira. Os convidados ' entrada agachada significava humildade, mas também, como a sala tornou-se menor foi necessário rebaixaria na entrada para olhar para a rolagem de enforcamento no interior. Ele também mostrou respeito aos hóspedes já sentado em casa.

Algumas pessoas dizem que a entrada é projetada de forma a impedir a entrada de invasores, mas isso é duvidoso, porque a porta é apenas um quarto de uma polegada de espessura e poderia facilmente ser quebrada com um empurrão. A porta da sala de chá é deixada ligeiramente aberta para que ele pudesse ser aberto com facilidade. Quando os comentários de feedback sobre o trampolim e toca a porta, ele encontra-lo ainda molhado em lugares, que lhe dá uma sensação refrescante.

No momento que a porta está aberta, Alcova e pendurado rolagem entrar em modo de exibição. A partir daí, ela/ele pode ver o interior do quarto pequeno. Após um rápido vislumbre, ela/ele se dobra sobre e arrasta-se, pela primeira vez a cabeça. O último convidado a entrar fecha e travas da porta. A trava da porta dá os hóspedes uma sensação de isolamento.

Chanoyu - A forma de chá

imageHistória-Chanoyu"água para chá quente" e significa uma esfera cultural específica, desenvolvida a partir de beber matcha (chá em pó) que fornece refresco de corpo e alma. Primeira o hábito de beber chá introduzido da China para o Japão como um auxílio meditativo para monges Zen, evoluiu para uma arte altamente sofisticada e multifacetada durante o século XVI. True para o budista ensino de encontrar o dharma (sânscrito: "a natureza de Buda") em cada ser senciente, a filosofia básica dechanoyufoi desafiando a classe e era, portanto, praticada pelos monges, mas também por guerreiros e comerciantes.

Princípios-A esfera cultural exclusiva dechanoyubaseia-se em quatro princípios-WA(harmonia),Kei(respeito),sei(pureza), eJaku(tranquilidade). Cada princípio é expresso através de estilos formais, os gestos, os objetos selecionados e ambiente holístico salão de chá preparado para um tempo específico, lugar e ocasião da reunião com o convidado para o chá. Mas é um processo promulgado através do tempo que tece os quatro princípios para criar essa esfera. Cultura, neste sentido, não é uma estrutura estática de referência, mas um campo onde ocorre o processo de cultivo.

Processo-O salão de chá é uma representação física desta esfera cultural. Em seu formato tradicional, é um espaço livre com sem ornamentação. O host do chá reunindo, assim, prepara tudo com antecedência para "definir o estágio." purificação de todos os elementos que insere o mundo do chá, incluindo o jardim com o roji, o salão de chá e os utensílios de chá, é a parte mais importante da preparação. Os costumes, as regras, e formalismo, gesto que são visíveis no chanoyu pode se manifestar com um fluxo incessante somente quando profunda atenção aos detalhes foi pago pelo host para preparar sua mente para a ocasião. Estar preparado é para pagar o respeito ao convidado e, quando o host atende o hóspede que participa como respeitosamente na ocasião, a comunicação harmoniosa entre eles é gerada mutuamente.

No entanto, o palco para um encontro de chá é planejado, projetado e desfrutado apenas para ser desmantelado após sua fruição. O fim da ocasião traz um momento agridoce para o host e o convidado. The gathering é sobre; o hóspede deixa o salão de chá. O host agora se senta sozinho no salão de chá, contemplando e apreciando o momento compartilhado que ele/ela apenas experimentou. Enquanto o anfitrião começa a limpar o quarto, o espaço vazio é inundado com persistente calor gerado pela interação humana e com a tranquilidade que reflete a passagem do tempo.

Continuidade-A esfera dechanoyu, em seguida, é caracteristicamente temporal. É esta natureza temporal, que mantém um ciclo perpétuo de início, terminando e revivendo propriamente dito. Em cada forma de sua manifestação,chanoyucultiva criatividade reflexiva de tempo e espaço. Se usar utensílios diários coreanos realizou uma relevância estética para o mestre de chá do século XVI Sen Rikyu, projetar utensílios de chá metal o sabor da Bauhaus pode ser titular de tanta relevância para um artista contemporâneo. A criação aqui envolve cultivar o novo valor por fazer algo que tem certo significado em um contexto e colocando-os em um quadro diferente do tempo e do espaço. A esfera cultural dechanoyu, assim, permanece sempre aberto.

Chanoyupode ser descrito como um jogo intelectual que exigem intensas faculdades criativas. É bom para colocá-lo para usar como um polestar para vida humana, e também é muito bem para apreciá-la como uma forma de arte conceitual. Isto é precisamente porquechanoyupode constituir um modo de vida que perdura através de novos tempos.

Um convite para chá.

image
No verão os hóspedes chegar cedo para chá, antes do calor do dia. O jardim é aspergido com água. Stepping stones brilham no início da manhã leve, úmido e frio, como um caminho de montanha por meio de uma floresta de bambu e cedro. Há uma sensação de ponte, passagem, processo mais profundo para o jardim e deixando a poeira do mundo para trás. As folhas roà no vento. Uma área de espera coberta aparece onde os convidados sip água fresca, recém desenhada de xícaras de porcelana translúcida. Desenhado pela mesma fonte de água será usada posteriormente para o chá.

A casa de chá é feita de materiais mais comuns: palha, casca, palhetas, bambu, madeira, papel e argila. A entrada é baixa, um minúsculo door apenas dois pés quadrados. Um por um, os convidados aproximam um passo pedra, dobrar para baixo e fugir em uma pequena sala de luz e sombra. Eles são cumprimentados pelo som suave de cozinhar/escorrer a água e o delicado aroma de sândalo. Uma rolagem trava na Alcova palidamente iluminada com palavras que falam de vento ou água. Reed umedecido persianas cobrem as janelas, gotículas de água glitter no sol. O sentimento é fresco e refrescante. Os convidados se sentar calmamente, absorvendo a atmosfera tranquila.

No Outono ou Inverno, os convidados chegam no final da tarde ou à noite. Eles fazem o seu caminho ao longo de um caminho espalhado com folhas de Carvalho. A sala de chá é aquecida por velas e lâmpadas de óleo, e a fragrância de feitos e cravo preenche o espaço minúsculo. A chaleira fervendo em um forno baixo relevo próximo ao meio do quarto. Os convidados se reúnem próximo ao relógio como o host adiciona carvão ao fogo.

Arefeição ligeirade sopa quente, arroz, peixe grelhado e picles são servidos em bandejas de laca preta e pratos de cerâmicos. Amor é derramado no rasos copos vermelhos. Uma bandeja de cedro com iguarias da montanha e do mar é passada. Uma caixa empilhada preenchida com trufa como doces é deixada com os convidados para comer. Eles adiar a a área de espera, onde eles se sentar por um momento e desfrutar do jardim.

Quando os convidados retornam, eles encontram a sala de chá alterada. Na Alcova onde a rolagem tinha sido agora é um arranjo de flor simples em um vaso de bambu - uma filial de bordo e uma camelia branca. Juntou-se a chaleira por objetos usados para fazer chá: uma jarra de água de cerâmica e um recipiente de chá cerâmica pequeno envolto em um saco de seda. O humor do encontro se aprofundou, e agora todos estão mudos.

O host entra no quarto com uma tigela de chá único. O som de seus pés escovar os tatames se mistura com a gentil assobios da chaleira. Seus movimentos são rítmicos e suave como ele descodifica o recipiente de chá de saco de seda, limpa o bowl, scoops no chá em pó e panelas de água a partir da chaleira. Movimento de circulação, os gestos unir de modo integrado como ele mistura o chá e água com um whisk de bambu pequeno.

A tigela de chá é colocada na frente de um convidado. Ele pega. A cerâmica negra áspera é como uma pedra quente na mão, uma paisagem de chá verde esmeralda dentro. Tudo é silencioso: o sabor do chá, a companhia de outros, o coração do host. As palavras do pergaminho ainda demoramos na mente e levar a um sentimento profundo para as coisas do momento.

Preparando para a cerimônia

imageChaji é uma apresentação completa de chá com uma refeição. Como em praticamente cada cerimônia do chá, o host pode passar dias indo sobre minúcias para garantir que esta cerimônia será perfeita. Através de chá, o reconhecimento é dado que cada encontro humano é uma ocasião singular que pode e irá, nunca recorrer novamente exatamente. Assim, cada aspecto do chá deve ser saboreado para o que ele dá os participantes.

A cerimónia tem lugar em um quarto projetado e designado para o chá. Ele é chamado a chashitsu. Normalmente esta sala é dentro da casa de chá, situada longe da residência, no jardim.

Os convidados (quatro é o número preferido) são mostrados em machiai (sala de espera). Aqui, o hanto (Assistente para o host) oferece-lhes sayu (a água quente que será usada para fazer chá). Aqui, os hóspedes escolhem um de seu grupo para atuar como o principal convidado. O hanto, em seguida, leva os hóspedes, principal convidado diretamente para trás, para um jardim polvilhadas de água desprovidos de flores. Ele é chamado roji (terra de orvalho). Aqui os hóspedes livrar-se da poeira do mundo.

Eles então sentar-se sobre o machiai de koshikake (banco de espera), antecipando a abordagem do host que tem o título oficial teishu (mestre de casa).

Apenas antes de receber os convidados, o teishu preenche o tsukubai (bacia de pedra), que é definida entre pedras baixas com água fresca. Tomar uma concha de água o teishu purifica suas mãos e boca então prossegue através o chumon (portão do meio) para receber seus hóspedes com um arco. Sem palavras são faladas. O teishu leva o hanto, o principal convidado e os outros (nesta ordem) através o chumon que simboliza a porta entre o mundo físico grosseiro e o mundo espiritual de chá.

Os convidados e hanto purificar-se no tsukubai e insira a casa de chá. O porta de correr é apenas trinta e seis polegadas de altura. Assim, todos que entram devem curvar suas cabeças e agachar. Esta porta aponta para a realidade que todos são iguais no chá, independentemente do status ou posição social. A última pessoa nas travas da porta.

Dentro da casa de chá

imageA sala é desprovido de qualquer decoração com exceção de uma alcova chamada um tokonoma. Pendurado na Alcova é um kakemono (pintura de rolagem), cuidadosamente selecionados pelo host, que revela o tema da cerimônia. A escritura sagrada budista sobre a rolagem está por um mestre e é chamada bokuseki (traços de tinta). Cada convidado admira a rolagem, por sua vez e, em seguida, examina o kama (chaleira) e forno (furo para o tipo de portátil) e ro para o conjunto de tipos no chão no inverno para fornecer calor, que foram lançadas antes de eles foram recebidos pelo host. Que, em seguida, estão sentados de acordo com as respectivas posições na cerimônia.

O host sentados próprio e saudações são trocadas, primeiro entre o host e convidado de princípio, em seguida, o host e outros convidados. Um fogo de carvão baseia-se, em seguida, se for ro temporada e após a refeição se é temporada de furo. Na temporada de ro kneaded incenso é colocado no incenso fogo e sândalo na temporada furo.

A refeição (se servido)

Cada convidado é servido uma refeição chamada chakaiseki. A refeição servida em uma bandeja com pauzinhos de cedro fresco, consiste de três cursos. O tabuleiro é cozido arroz branco em uma bacia cerâmica que vai ser comido com outros pratos, sopa de missô, que é servida em taças de laca coberto e peixe cru, puro ou em conserva ou em conserva de legumes em um prato de cerâmico.

Saquê é servido. O primeiro curso é chamado de hashiarai (os pauzinhos de lavagem). Nimono (alimentos surgidos em caldo) em pratos de laca coberto separado. Yakimono (grelhados alimentos) são servidos em porções individuais em placas cerâmicas. Sopa e arroz adicional é oferecido a cada convidado. Este curso de acolhimento pode comer, se ele escolhe. O paladar é limpo, em seguida, com kosuimono, um simple caldo claro servido em tigelas de laca coberto.

O próximo curso deriva seu nome a reverência de Xintoísmo da natureza. Ele é chamado hassun que é também o nome para a bandeja de madeira simple que é usado para servir a este curso. Este curso consiste em uminomono e yamanomono (frutos do mar e montanha alimentar respectivamente) que significam a abundância do mar e da terra. O host come durante este curso e é servido bem por cada convidado. A posição do servidor é considerada uma posição mais elevada e, para garantir a igualdade de todos na sala de chá, cada uma funciona como host se somente momentaneamente.

Konomono (coisas perfumadas) são servidos em pequenas tigelas de cerâmicas e bronzeado arroz é servido em água salgada em um jarro de laca, que representa a última de arroz. Cada convidado limpa os utensílios que eles têm usado com um papel macio que eles trazem. Um omogashi (principal doce) é servido para terminar a refeição. O host, em seguida, convida seus convidados a retirar-se para o jardim ou a sala de espera enquanto ele se prepara para o chá.

Uma vez que os convidados partiram, o host remove a rolagem e substitui-lo com flores. O quarto é varrido e os utensílios para preparar cha de koi são organizados. Mais treze itens individuais são usados. Cada um é cara e considerado um objeto de arte.

A sala de chá

imageFormulário:Uma casa de chá tradicional consiste em uma pequena cabana construída principalmente de madeira e bambu. Uma pequena sala, onde não mais que cinco convidados são esperados, praticamente não tem qualquer ornamentação permanente. Todos os elementos arquitetônicos - uma janela de retículo, feixes de bambu, uma coluna de madeira natural exposta,tatameesteiras de palhas e assim por diante — definem o ambiente básico. Existem tantas manifestações de salões de chá como existem seguidores do caminho do chá que dedicam suas energias em Visualizando seus ideais para uma xícara de chá.



Espaço.
No entanto, uma casa de chá não resiste por si só. Ele é definido pelo ambiente e é inseparável de uma infinidade de significados incorporados dentro de vários elementos que a cercam. O mais importante destes elementos, oRoji(um caminho estreito que conduz a uma casa de chá) convida o convidado para livrar um ' s auto das preocupações mundanas. É também um espaço transitório onde um deixa para trás todas as convenções sufocantes que obstruam um ' experiência da vida em sua plenitude. Na presente exposição, o "túnel de caminho," um corredor formado por telas de papel japonês iluminado, abstratamente recria o espaço daRojina Galeria C.V. Starr e leva o visitante para o mundo do chá como reinventado em termos não convencionais e marcantes.image

Inspiração-
Em galerias Asia Society, uma casa de "chá", o lugar onde uma cerimônia do chá tradicionalmente ocorre, é tratada não como uma norma arquitetônica a ser seguido, mas sim como um assunto no qual os selecionados artistas contemporâneos explorar suas idéias dechanoyu. Nova Iorque artista Gu Wenda desenvolveu uma instalação na Galeria Arthur Ross com base em sua interpretação original do chá. A Galeria de Starr, por outro lado, introduz quatro salões de chá por arquitetos e designers japoneses. Enquanto cada salão de chá em exposição na Galeria Starr encontra seu próprio parentesco com os princípios estéticos básicos estabelecidos por Sen Rikyu, o espaço de toda a Galeria é projetado para manter um fluxo constante, desde o todos os dias espaço para o Reino de chá e de um salão de chá para outra, em sentidos físicos e metafísicos.

Utensílios

Individualismo-Sen Rikyu (1522-1591) é dito ter mencionado, "Suki(estilo, estético) emchanoyué não copiar outras."estabelecer firmemente na estética de chá seu próprio estilo com base na severidade, austeridade e melancolia, ele introduziu o período mais avant-garde na história dachanoyucomissionamento de seus próprios projetos de utensílios de chá em vez de usar os wares chineses que tinham sido os utensílios mais apreciados. A criação de novos tipos de utensílios proclamou o início de uma nova forma de chá.

Tal um espírito inovador desenvolvido fora do credo baseado em Zen de "viver no presente." herdar este espírito, Rikyu ' discípulo s Furuta Oribe formou sua própria maneira de chá com seus projetos de utensílio, sua artística livremente expressa contrastando com Rikyu ' preferência s pela simplicidade reservada. Dentro de intervalo de meio século,chanoyuproduzidos mestres distintos cujas contribuições à evolução posterior em utensílios de chá são imensuráveis.

Hoje, quatro séculos depois, individualismo permanece a busca de artistas trabalhando em direção a realização de sua própria linguagem expressiva. Enquanto os materiais usados são tão diversos como a argila, vidro, acrílico, bambu e latão, os artistas contemporâneos destaque na presente exposição subscrevem a linhagem da vanguarda.

Colaboração - durante o chá coleta, no entanto, individualismo expresso através de desenhos exclusivos em utensílios corresponde com um certo tom temático, sazonal ou de outra forma, encorajar uma experiência holística do momento. A natureza colaborativa de utensílios montados para o chá coleta paralelos uma composição orquestral. Esta analogia, os utensílios de chá são os membros de uma orquestra ao invés de solistas. O host, em seguida, é o maestro que leva a ressoar com os outros. Como se ouvir um Sinfonia, o hóspede segue o tema principal enquanto aprecia a funcionalidade distinta e apelo visual que encarna cada utensílio.

Maioria do cháutensíliosem exibição foram usados em reuniões de chá real onde artistas contemporâneos e artesãos participaram desta forma Sinfônica de arte, às vezes como anfitriões, outras vezes como convidados. Apresentando os utensílios, bem como os salões de chá nesta exposição visa encorajar os telespectadores a conscientemente conduzir sua própria Sinfonia colaborativa, ou seja,chanoyu.

O mundo espiritual de chá

Na cerimônia do chá, água representa yin e fogo no yang do coração. A água é realizada em um jar chamado omizusashi.Este grés jar contém água doce, simbolizando a pureza e é tocado apenas pelo host. Matcha é mantido em um recipiente de cerâmico pequeno chamado um chaire que por sua vez é coberta em um shifuku (bolsa de seda fina) que é fixado à frente a mizusashi. A ocasião irá ditar o tipo de tana (suporte) usado para exibir os utensílios escolhidos.

Se o chá é servido durante o dia um gongo é soado, em um sino de noite. Geralmente atingido ou degrau de cinco a sete vezes, ele convoca os convidados volta para a casa de chá. Eles purificar as mãos e a boca mais uma vez e novamente como antes. Admiram as flores, Chaleira (Kama) e lareira e sentar-se.

O host entra com oChawan(tigela de chá) que detenha oChaSen(Bata de chá), chakin (pano de chá), que é um pano de linho branco branqueado usado para secar a tigela, e ochashaku(colher de chá), uma colher de bambu fino usada para dispensar o matcha, que repousa em toda ela. Estas são organizadas junto com a jarra de água que representa o sol (símbolo de yang); a bacia é a Lua (yin). Retirando-se para a sala de preparação, o host retorna com o kensui (tigela de águas residuais), ahishaku(concha de água de bambu) e futaoki (um resto de bambu verde para a tampa de chaleira). Ele, em seguida, fecha a porta para a sala de preparação.

Usando um fukusa (pano de seda fino), que representa o espírito do host, host purifica o recipiente de chá e colher. Significado profundo é encontrado no acolhimento ' inspeção cuidadosa s, dobrável e manipulação de fukusa, por seu nível de concentração e estado de meditação estão sendo intensificadas. Água quente é ensinada dentro da tigela de chá, a bata é lavada, o chá tigela é esvaziada e limpou com a chakin.

Levantando a colher de chá e chá contêiner, o host coloca três colheres de chá por convidado dentro da tigela de chá. Água quente é ensinada desde a chaleira em teabowl em quantidade suficiente para criar uma pasta fina com o whisk. Água adicional é adicionada para assim o colar pode ser levado em um líquido grosso consistente com sopa de ervilhas. Água não utilizada na concha é retornada para a chaleira (Kama).

O host passa a tigela de chá para o convidado principal que arcos em aceitá-lo. A bacia é gerado e girar na mão para ser admirado. O convidado bebe algumas do chá, limpa a borda da tigela e passa a tigela para o hóspede próximo que faz o mesmo como o principal convidado.

Quando os convidados provei o chá o bowl é retornado ao host que lavagens ele. A bata é lavada e limpo a colher de chá e o recipiente de chá.

O recipiente de chá e colher são oferecidos aos hóspedes para exame. Ocorre uma discussão sobre os objetos, apresentação e outros tópicos apropriados.

Preparando para a partida

image
O fogo é então reconstruído para e.u.a cha (chá fino). Este chá vai lavar o paladar e simbolicamente prepara os convidados para deixar o mundo espiritual de chá e entrando novamente no mundo físico. Fumar artigos são oferecidos, mas raramente faz fumar realizar-se em uma casa de chá. Este é apenas um sinal para o relaxamento.

Zabuton (almofadas) e teaburi (aquecedores de mão) são oferecidos. Para elogiar EUA cha, higashi (doces secos) são servidos. Cha de e.u.a e cha de koi são feitas da mesma maneira, exceto que menos pó de chá de uma menor qualidade é usado, e ele é dispensado de um recipiente de madeira em forma de data chamado umNatsume.

Otigela de cháé mais decorativo no estilo; e os hóspedes são servidos individualmente uma tigela desta poção de quarenta.

Na conclusão, os convidados expressam sua apreciação para o chá e admiração para a arte do acolhimento. Eles deixam como host observa da porta da casa de chá.
up